Meu Perfil
BRASIL, Sul, CURITIBA, UBERABA, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, English, Livros, Cinema e vídeo, Ciência, Astronomia



Histórico
 01/10/2015 a 31/10/2015
 01/11/2013 a 30/11/2013
 01/10/2013 a 31/10/2013
 01/09/2013 a 30/09/2013
 01/08/2013 a 31/08/2013
 01/07/2013 a 31/07/2013
 01/05/2013 a 31/05/2013
 01/03/2013 a 31/03/2013
 01/02/2013 a 28/02/2013
 01/11/2012 a 30/11/2012
 01/08/2012 a 31/08/2012
 01/07/2012 a 31/07/2012
 01/06/2012 a 30/06/2012
 01/02/2012 a 29/02/2012
 01/01/2012 a 31/01/2012
 01/09/2011 a 30/09/2011
 01/08/2011 a 31/08/2011
 01/07/2011 a 31/07/2011
 01/06/2011 a 30/06/2011
 01/02/2011 a 28/02/2011
 01/01/2011 a 31/01/2011
 01/11/2010 a 30/11/2010
 01/10/2010 a 31/10/2010
 01/09/2010 a 30/09/2010
 01/07/2010 a 31/07/2010
 01/05/2010 a 31/05/2010
 01/04/2010 a 30/04/2010
 01/03/2010 a 31/03/2010
 01/01/2010 a 31/01/2010
 01/12/2009 a 31/12/2009
 01/09/2009 a 30/09/2009
 01/08/2009 a 31/08/2009
 01/07/2009 a 31/07/2009
 01/06/2009 a 30/06/2009
 01/05/2009 a 31/05/2009
 01/03/2009 a 31/03/2009
 01/01/2009 a 31/01/2009
 01/12/2008 a 31/12/2008
 01/11/2008 a 30/11/2008
 01/10/2008 a 31/10/2008
 01/09/2008 a 30/09/2008
 01/08/2008 a 31/08/2008
 01/07/2008 a 31/07/2008
 01/06/2008 a 30/06/2008
 01/05/2008 a 31/05/2008
 01/04/2008 a 30/04/2008
 01/03/2008 a 31/03/2008
 01/02/2008 a 29/02/2008
 01/01/2008 a 31/01/2008
 01/12/2007 a 31/12/2007
 01/11/2007 a 30/11/2007
 01/10/2007 a 31/10/2007
 01/09/2007 a 30/09/2007
 01/08/2007 a 31/08/2007
 01/07/2007 a 31/07/2007
 01/06/2007 a 30/06/2007
 01/05/2007 a 31/05/2007
 01/04/2007 a 30/04/2007
 01/03/2007 a 31/03/2007
 01/02/2007 a 28/02/2007
 01/01/2007 a 31/01/2007
 01/12/2006 a 31/12/2006
 01/11/2006 a 30/11/2006
 01/10/2006 a 31/10/2006
 01/09/2006 a 30/09/2006
 01/08/2006 a 31/08/2006
 01/07/2006 a 31/07/2006
 01/06/2006 a 30/06/2006
 01/05/2006 a 31/05/2006
 01/04/2006 a 30/04/2006
 01/03/2006 a 31/03/2006
 01/02/2006 a 28/02/2006
 01/01/2006 a 31/01/2006
 01/12/2005 a 31/12/2005
 01/11/2005 a 30/11/2005
 01/10/2005 a 31/10/2005
 01/09/2005 a 30/09/2005
 01/08/2005 a 31/08/2005
 01/07/2005 a 31/07/2005
 01/06/2005 a 30/06/2005
 01/05/2005 a 31/05/2005
 01/04/2005 a 30/04/2005


Categorias
Todas as mensagens
 Boca no Mundo
 Ciência, Astronomia
 Poesia e Literatura
 Outras Artes
 Filmes e séries


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 BLOG DAELN-UTFPR
 Mário Bortolotto
 Micos, Gafes & Vexames
 Bacia das Almas - Paulo Purim
 Proibido Ler de Gravata
 Márcio Américo
 BLOG da Merie
 Angeli
 BLOG da Livraria Osório SEBO
 Leo Jaime, o BLOG
 Crônicas, vários autores
 Diário de uma Prostituta
 NonaArte HQ's
 Bertoldo Schneider, Site
 Engenheiras de Saia
 Poéticas Profecias
 Espelunca - Ademir Assunção
 Stocker - Stockadas
 Bestiário (POESIAS)
 Mustafá & A Confraria
 UOL-BLOG
 Thadeu, Polaco poeta
 Mônica Berger, Poeta
 Poesia Jornal
 Astrália-Marcos Prado-Tributo
 Blog do Eltom
 Blog do Machado


 
QuasarGhost, The BSJ WeB Log
 

Brasil no Espaço

   Cem anos depois que Santos Dumont provou (conforme todas as regras e critérios técnicos da época) que o mais pesado que o ar podia voar, outro brasileiro provará que nessa terra não tem somente palmeiras, samba, futebol e ‘calypso’. O Tenente-coronel Marcos Pontes, um russo e um americano vão para a Estação Espacial Internacional (ISS) (em 29/03/06-23:30UT-3), através do SOYUZ-TMA8, numa missão batizada de missão “CENTENÁRIO”, batizada em homenagem aos 100 anos do vôo do 14-BIS (23/10/1906). Nem é preciso reforçar a informação de que exceto no país dos Yankes, o vôo do 14-BIS é considerado o começo da era aeronáutica. Todos deveriam esquecer aqueles ogros dos irmãos Wrong, opsss, desculpem-me, é Wright, que arriscavam a vida num papagaio atirado de um estilingue. Pontes pretende levar pra cima um chapéu panamá do tipo que o Santos Dumont usava (Quem tem minha idade, lembra do chapéu estampado na nota de 10.000 cruzeiros [1966], mais tarde carimbado de 10 cruzeiros novos, em 1967-70). Nosso astronauta fará oito experimentos científicos (INPE, UERG, FEI, IMBRAPA, UFSC, MCT e outros) que passaram por zilhões de critérios e julgamentos tanto no Brasil quanto na Rússia.

 

"O Brasil é o único país do Hemisfério Sul a ter um programa espacial completo com satélites, lançadores e centro de lançamento. Os países mais desenvolvidos do planeta têm um programa espacial porque sabem que ele é uma alavanca para a Ciência e Tecnologia", conforme o presidente da AEB (Ag. Espacial Brasileira, desde 1994), Sérgio Gaudenzi. Marcos Pontes ficará oito dias na ISS. De lá, ele fará três contatos com a Terra: um com presidente Lula, outro com três jornalistas escolhidos a dedo e o último com crianças de escolas públicas. Interessante! notaram que a coisa foi agendada em ordem crescente de importância? 

Vale lembrar do incidente do lançador, que “disparou sozinho” e matou todo o staff Espacial brasileiro...Agente Mulder está procurando explicação até hoje. 



Categoria: Ciência, Astronomia
Escrito por Bertoldo Schneider Jr. às 13h18
[ ] [ envie esta mensagem ]



A Jangada de Julio Verne

Uma idéia que sempre me fascinou foi a de que há milhares de anos o comércio atravessava a América do Sul e o Atlântico, indo parar no Egito Antigo. Antes de ser Solimões, o Urubamba corta de sul a norte o Peru. É possível imaginar aqueles barcos de junco de baixo calado fazendo toda essa travessia, desde o centro do Peru até o oceano. Solimões, Amazonas e Atlântico (tem uma variante pelo Juruá, muito mais navegável) e depois África e Europa. Agora leio esta beleza de livro que é “A Jangada”, de Julio Verne, de 1881. 350 páginas e oitocentas léguas através do Amazonas. Verne foi um cara extremamente culto, metódico e científico. Lia e anotava sempre o que poderia usar nos romances. Usava as melhores referências numa época em que quem fornecia as melhores referências eram a França e a Inglaterra. Algumas coisas, não poucas, errou em seus escritos, a maioria por excesso de confiança em suas fontes. Metade da viagem narrada em “A Jangada”, foi baseada num fato real documentado pelo viajante Paul Marcoy, que nos anos 50 e 60 do século XIX escreveu a “Viagem do Pacífico ao Atlântico, através da América do Sul”. A travessia somente, pois a “vila flutuante” foi idéia dele. Eu me lembro que há alguns anos atrás, antes daquela viagem comprobatória que não teve sucesso, conheci a teoria de que havia comércio entre o Peru (e arredores) e o Egito antigo (comprovado pela presença, nas múmias egípcias, de drogas que só existiam na América do Sul) e que as rotas fluviais iam do lago Titicaca até o Atlântico (Alias, talvez nem fosse comércio, e sim Tráfico). Fiquei muitas horas me divertindo riscando no Atlas rotas que satisfizessem isso. Encontrei uma que sai lá pelo Uruguai e outras pelo Amazonas, a mesma de Verne e de Marcoy (mais aquela pelo rio Juruá). O próprio lance da “ilha flutuante” pode ter vindo daquelas construções de palha e junco do lago Titicaca onde se pode morar em cima. De qualquer modo, é muito bom ver o que um escritor pode fazer com o tipo de informação que faz o cientificamente ignorante Jô Soares fazer aquelas piadinhas do tipo: “Na Universidade tal descobriram que...” que termina invariavelmente com “eu nem vou dormir direito hoje...”. Uma das inspirações de Verne para este romance, conforme Michel Rialdel, foi um encontro que teve com o casal conde d’Eu e princesa Izabel, em 1878 (esta, filha de D. Pedro II, ‘o cara’). No livro, Verne esbanja conhecimento geográfico (esse era o seu forte, eu chamaria o que ele fez de ficção científica geográfica) e da sociedade brasileira na época. Claro que existem alguns erros que fazem a felicidade daqueles críticos “carcarás”, que gostam de se fazer de entendidos atacando os pontos fracos de pessoas famosas. É muito fácil julgar hoje, nos tempos globais de internet, um escritor do século XIX, muito fácil achar erros. Mas os erros de Verne são erros de suas fontes ou exageros, coisa que ele gostava muito. Erros de datas (como a do “ventre livre”), de direita-esquerda (ele erra duas vezes os lados dos afluentes), a do canhão no rio Amazonas, entre outras coisas são desculpáveis. Somem no meio da beleza de sua obra. Quando eu tinha uns 14 ou 15 anos, li quase toda aquela famosa coleção de suas aventuras. Tudo começou com uma revista “Revista da Educação e Recreação”, da qual ele era meio sócio e onde foram publicadas (de 1865 a 1912), em folhetins, dois terços de suas 62 “Viagens Extraordinárias”. Quando uma história acabava, era impressa em formato de livro, capa dura luxuosa, etc. A coleção brasileira imitava a francesa, capa dura, com ilustrações litográficas. Até hoje eu me amarro nisso. Não porque são livros “com figuras”, mas porque traz dois tipos de arte para um mesmo fim (estou falando de litografia, arte de artista de verdade, não os desenhosinhos que são feitos por computador, por caras que não sabem desenhar uma casinha em papel e lápis). Quem curte HQs sabe exatamente do que estou falando. As bestas intelectualóides de plantão, que acham que literatura é Tchekhov, Joyce e Homero, perdem muito, e nem sabem, por terem essa visão de jumento. Este livro carrega humor (para quem é capaz de entender), mistura escafandros com poraquês, logogrifos com jurisprudência, honra com imoralidade, duelos legais com pena de morte e por aí afora. O que me faz pensar que coisas de Verne leram alguns críticos de seu trabalho. Eu tenho a impressão que quanto mais envelheço, melhor ficam suas obras. O caráter pedagógico de todos seus escritos é extraordinário (aliás, acho que foi ele que inventou a coisa) e, a não ser que você seja o próprio, você sempre tem algo a aprender com ele. Neste livro, ele apresenta um puzzle de encriptação. Até cita algo parecido que o A. Poe fez. Mas o dele é muito superior. Eu já tinha aprendido a mexer com esse tipo de coisa no “Livro dos Códigos”, de Simon Singh, mas isso não quer dizer que eu não tenha me divertido. Com Verne você se diverte e aprende. Sou capaz de imaginar bem poucas coisas em literatura que são melhores do que isso.



Categoria: Poesia e Literatura
Escrito por Bertoldo Schneider Jr. às 22h32
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]