Água na Lua

No início de março (2010) houve o anúncio de que o Mini-SAR, um pequeno radar (de polarização circular) de 10 kg que chegou à Lua de carona na satélite indiano Chandrayaan-1, descobriu 40 pequenas crateras [1,5..15 km de diâmetro] com gelo de água no polo norte lunar. Estima-se que as reservas cheguem a 600 milhões de metros cúbicos (imagine um cubo de aproximadamente 850 metros de lado, totalmente feito de água). Sabendo usar, é água pra caramba!  O Mini-SAR passou o último ano mapeando as crateras lunares que estão permanentemente na sombra e que não são visíveis da Terra, usando as propriedades de polarização das ondas de rádio. Outros dois instrumentos a bordo do mesmo satélite (MMM e LCROSS) confirmaram a água por métodos diferentes (detecção de moléculas de água e de vapor de água). A água parece ser comum em regiões da Lua que nunca são banhadas pela luz solar.  Por este motivo, são regiões permanentemente frias demais para vaporizar o gelo (de água ou de outros materiais). O método de batimetria por polarização encontrou material compatível com a assinatura de água só no interior de crateras permanentemente sombreadas. O método só pode medir depósitos com mais de dois metros de profundidade (aqueles capazes de absorver suficientemente o sinal emitido).    A Imagem acima mostra as 40 crateras do polo lunar norte que contêm água. Em vermelho são crateras relativamente recentes e em verde às muito irregulares (Foto: NASA). Tem muito gelo por lá. Agora, lembrando um amigo, o Abatti, "só falta o wiskey!"