Células Solares: Tecnologia de areia!

Muitos acham que é a vez das células solares tomarem seu lugar nas matrizes energéticas. O problema é que está difícil conseguir uma tecnologia barata o suficiente para que seja interessante. Células solares (CS) são feitas basicamente de silício e sim, se você estiver se perguntando, ainda é o material mais promissor para isto. As CS são caras porque precisam justamente do mais caro tipo de silício, o silício de alta pureza cristalino. Cristalino porque forma redes moleculares com arranjo bem comportado de alta simetria. O silício puro é basicamente obtido de um processo muito simples: Aquece-se a areia (ou quartzo) junto com carvão (carbono) em um forno com temperatura de 1400 °C fazendo com que o carbono se ligue ao oxigênio liberando gás carbônico e deixando o silício puro para trás. Simples, mas o preço do quilograma de silício puro tem estado estável perto dos 40 USD/kg. Existem outros materiais, mas nenhum com eficiência comparável ao silício. Quem quiser saber exatamente como funciona pode buscar na internet. Há dezenas de bons sites. Basicamente o que acontece é que existem materiais que quando um fóton incide em sua superfície, um elétron é liberado da mesma, podendo compor (juntamente com muito outros gerados pelo mesmo processo) uma corrente utilizável. Einstein ganhou seu Nobel por seu pequeno trabalho (pequeno quando comparado com seus outros trabalhos) que explicou o efeito fotoelétrico.  Mas só pra terminar este post, é interessante pensar que toda a tecnologia eletrônica de hoje está baseada numa das coisas mais comuns no planeta: areia. A imagem iconográfica que tenho de um bom futuro para a humanidade é uma criança construindo seu castelo de areia numa praia. A humanidade evolui à custa de seus castelos de areia.